Rede de Judiarias de Portugal

Lisboa

A capital portuguesa é desde há 900 anos, cidade sefardita peninsular que maior história judaica provavelmente concentrou ao longo dos séculos, Cidade criativa e dinâmica, Lisboa identifica-se como berço de muitas das mais influentes e emblemáticas famílias que perduram hoje na simbologia hebraica internacional; Guedaliah Yahya; Gracia Nassi (Benveniste); Isaac e Judah Abravanel (Abarbanel); Jacob Lumbrozo (1º. médico Judeu dos Estados Unidos); Samuel Usque, entre muitos outros. Tanto no tempo dos judeus como no dos cristãos-novos, Lisboa esteve sempre presente na história judaica. Durante a II Guerra Mundial foi refúgio e ponto de partida para dezenas de milhares de refugiados.

O característico bairro de Alfama que incorporava uma das 3 judiarias existentes mantém ainda o mesmo traçado das antigas ruas tortuosas. No largo da igreja de S. Domingos existe um memorial que regista o ataque que em 1506 muitos fanáticos promoveram contra cristãos-novos lisboetas vitimando alguns milhares.
A Sinagoga actual, Shaaré Tikvá, foi inaugurada em 1904 e pode ser visitada na Rua Alexandre Herculano, embora sem fachada directa para a rua já que essa visibilidade estava ainda reservada aos templos católicos. È gerida pela Comunidade Israelita de Lisboa.
Um passeio pela capital portuguesa pode permitir começar pela Idade Média, observar os locais dos descobrimentos onde muitos astrónomos e empresários judeus participaram, atravessar o tempo da inquisição e visitar as zonas da baixa onde os refugiados da II Guerra conviviam na segurança que faltava á Europa.
A história de Lisboa judaica representa muita da mítica civilização judaica.

A herança judaica é parte da identidade de Lisboa. Na Idade Média, os judeus desempenharam papel destacado na administração do reino, na evolução urbana e na vocação comercial da cidade. Lisboa teve quatro judiarias e muitas famílias viviam fora das áreas atribuídas aos judeus, sinal da dimensão populacional que a comunidade atingiu no século XV.

 

A mais antiga judiaria situava-se na Pedreira (imediações dos atuais Armazéns do Chiado), onde se construiu uma sinagoga em 1260. A judiaria das Taracenas ficava na zona ocidental portuária. A Judiaria Velha (ou Grande) estava no centro, na Rua Nova dos Mercadores, e tinha 7 portas. Constituía um corpo à parte da administração da cidade, com oficiais próprios, duas sinagogas, escola, biblioteca, talho casher, hospitais, banhos públicos, tribunal e prisão. Conserva-se a lápide de construção da sinagoga, datada de 1307 (fig.1). Da Judiaria de Alfama, autorizada por D. Pedro I, resta o topónimo na Rua da Judiaria (fig.2).

 

São muitos os vestígios de uma história que não cessou com a expulsão/conversão de 1496 e o estabelecimento da Inquisição. No Largo de S. Domingos, onde em 1506 morreram milhares de cristãos-novos, existe um memorial alusivo a esse episódio (fig.3). O Marquês de Pombal criou condições para o regresso do Judaísmo. O primeiro túmulo do Cemitério Histórico Judaico da Estrela, de José Amzalaga, data de 1804. A legalização da Comunidade Israelita de Lisboa ocorreu em 1912 e a sinagoga Shaaré-Tikvá, projetada por Ventura Terra, foi inaugurada em 1904 (fig.4).

 


LOCAIS A VISITAR

TORRE DE BELÉM - Património Mundial da UNESCO
MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS - Património Mundial da UNESCO
Castelo de São Jorge e restos das Cercas de Lisboa
Centro Histórico
Bairro de Alfama - Antiga Judiaria
Sinagoga Shaaré Tikva
Terreiro do Paço (Praça do Comércio)
Igreja da Conceição-Velha
Aqueduto das Águas Livres
Jardim Botânico - Faculdade de Ciências
Casa dos Bicos
Igreja e Convento da Madre de Deus - Museu Nacional do Azulejo
Museu Nacional de Arte Antiga
Museu Nacional dos Coches
Museu Coleção Berardo - Centro Cultural de Belém
Museu da Fundação Calouste Gulbenkian
Museu Nacional de Arqueologia
Museu de Marinha
Museu do Oriente
Palácio Nacional da Ajuda
Museu Nacional do Traje
 

Posto de Turismo - Lisboa Terreiro do Paço
Telefone: 210 312 810

 

CONTACTOS

 

Sinagoga "Shaaré Tikvá"

Rua Alexandre Herculano, 59

Tel: 21 388 15 92

 

Serviços: 6ªs feiras, pelas 19h00 (Inverno) – 19h30 (verão)

Sábados : 9h00. Festas, de acordo com o horário divulgado.

 

Visitas Turísticas sob marcação: 2ª a 5ª Feira das 10h00 às 17h00

6ª Feira das 10h00 às 13h00

 

Comunidade Israelita de Lisboa – sede administrativa

Rua do Monte Olivete, 16 r/c esq 1200-280 Lisboa

Tel: 21 393 11 30

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Site: www.cilisboa.org Facebook : http://www.facebook.com/cilisboa

 

Horário de Funcionamento: de 2ª a 5ª Feira – das 9h00 às 13h00 e das

14h00 às 17h30. 6ªs Feiras – das 9h00 às 13h00

Horário de Atendimento ao Público: de 2ª a 5ª Feira das 14h00 às 17h30

 

Cemitério Israelita:

Rua Afonso III, 44 - Lisboa

Tel.: 21 814 85 61

Horário de Funcionamento:

2ª a 5ª Feira : 8h30 às12h30 / 14h00 às 17h00

6ª Feira: 8h30 às 13h30 / Domingo: 9h00 às 13h00

 

Associação Portuguesa de Estudos Judaicos:

Rua Alexandre Herculano, 59

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Tel. 213182960/966048236

 

Associação de Amizade Portugal-Israel

Rua Freitas Gazul, Lote 34, Loja 4

1350-149 Lisboa

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Associação Memoria e Ensino do Holocausto (MEMOSHOÁ)

www.memoshoa.pt

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Associação de Beneficência SOMEJ NOPHLIM

Rua do Monte Olivete, 16 r/c - 1200-280 Lisboa

Tel: 21 393 11 30 

 

Mikvé

Rua Alexandre Herculano, 59

Tel.: 351 96 560 72 89

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Maccabi Country Club:

Rua Gonçalves Correia, 8 - Albarraque

Tel. / Fax: 21 911 11 88 - Telm: 91 301 62 91

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

 

 

Galeria de Imagens

voltar ao topo