Rede de Judiarias de Portugal

Castelo Branco

Cidade capital da Beira Baixa, perto da fronteira espanhola e do rio Tejo, Castelo Branco possui uma zona medieval intra-muralhas bem definida, com um conjunto assinalável de vestígios de edificação sobretudo quinhentista resultante da fixação de judeus expulsos de Espanha da qual se estima ter resultado um aumento populacional de 60% e um enorme aumento de construção. No inventário mais recente registam-se 291 portados biselados dos quais 6 são em arco quebrado, 112 janelas biseladas, um conjunto muito significativo de lintéis de portas e janelas trabalhadas, 2 símbolos religiosos claramente judaicos (1 Menorah danificada com sobreposição de cruciforme e 1 Mesusah) e 63 cruciformes associados à presença de cristãos novos. Os vestígios da Menorah danificada com cruciforme sobreposto são visíveis na rua D’Ega nº. 10.

Já no fim do século XIV existem referências à existência de uma comunidade judaica e respectiva judiaria. Existiu uma sinagoga a qual se presume, ainda sem confirmação arqueológica, ter-se situado no actual nº. 10 da rua da Misericórdia.

A judiaria de Castelo Branco situava-se entre a Rua D’Ega e o troço norte das muralhas. Os seus dois eixos fundamentais eram a rua D’Ega no sentido (E-W) e o troço norte do que é hoje a rua da Misericórdia a partir do cruzamento com aquela rua.

Depois da data do decreto de expulsão (1496/7), a cidade tornou-se um importante centro de marranismo e de cristãos novos. A então vila de Castelo Branco (c.1443) foi o local de nascimento de Afonso de Paiva, explorador judeu designado por D. João II, para prospecionar por terras do oriente juntamente com Pêro da Covilhã, informações sobre o Caminho Marítimo para a Índia.

Algumas das figuras principais da história da medicina internacional, os judeus Amato Lusitano (1511-1568) e Elijah Montalto (1567-1616) que também aqui nasceram, foram duas das personalidades mais relevantes da sua época que mais contribuíram para as bases científicas da medicina no mundo.

No centro da cidade, junto do jardim das plantas medicinais de Amato Lusitano, foi erguida em 1956 frente à Câmara Municipal uma estátua de bronze à memória deste grande médico, da autoria do escultor Joaquim Martins Correia.

A influência do judaísmo e marranismo nesta cidade foi de tal que, na zona sul do próprio jardim dos bispos do Paço Episcopal, construída no período pombalino, a estátua do cardeal rei D. Henrique 1º. Inquisidor geral do reino, é tratada em tamanho desprezível e de rodapé, tal como as dos reis Filipes.

Quanto à estátua de Moisés, encimando a cascata do mesmo nome, é pelos seus pés que passa a água, símbolo de fonte da vida que irriga todo o jardim, no qual com a nova organização espacial criada pelo 1º. Bispo de Castelo Branco, Moisés tornou-se simbolicamente a sua figura mais proeminente, ainda que recuada e pouco visível em todo o conjunto, colocando em segunda ordem a figura de S. João Batista do Deserto, o profeta do cristianismo. Também o culto ao Espírito Santo, DEUS UNO, tão arreigado ao marranismo dos cristãos novos, está simbolizado na estatuária do Jardim do Paço através da figura da rainha santa Isabel com o cordão da ordem franciscana, introdutora deste culto em Portugal e o tanque com as três coroas da festa dos Impérios.

Durante os séculos XVI, XVII e XVIII, foram levantados 400 processos na inquisição dentro da área intra-muralhas da vila, por denúncia de judaísmo, contra naturais ou moradores de Castelo Branco, dos quais resultaram 14 mortos. Desses, cita-se o caso de Maria Gomes, idosa de 117 anos, a vítima da inquisição mais idosa que se conhece. Quer nas localidades próximas da vila, quer no estrangeiro, algumas centenas mais de albicastrenses foram vítimas deste tribunal da igreja; cita-se o caso do irmão de Amato Lusitano, Joseph Oheb (José Amato), que a 13 de Abril de 1556 em Ancona/Itália, foi morto na fogueira.

A visitar:

Estátua de Amato Lusitano e jardim das Plantas Medicinais

Zona Histórica / Judiaria / Castelo / Percurso dos portados quinhentistas e das marcas religiosas de judeus e cristãos novos / Jardim do Paço


 

Árvore genealógica do poeta Fernando Pessoa e dados relativos ao brasão dos Pessoa de Amorim em Castelo Branco, na Rua do Pina N.º 8. VER DOCUMENTO »

Biografia do médico albicastrense Elias Luna de Montalto. VER DOCUMENTO »

Mapa da Zona Histórica de Castelo Branco com os Portados Quinhentistas mais relevantes. VEJA O MAPA »

Amato Lusitano (1511-1568), de nome de batismo João Rodrigues de Castelo Branco, muito provavelmente batisado na igreja de St.ª Maria do Castelo, na então vila de Castelo Branco onde nasceu, era filho de pais judeus forçados ao cristianismo por édito do Rei D. Manuel I. Veio a ser figura de primeira linha do conhecimento médico na sua época em toda a Europa. VEJA A BIOGRAFIA »

Afonso de Paiva (c.1443-c.1490), explorador das Terras de Prestes João das Índias, era filho de Pedro Vaz, escrivão dos direitos reais dos judeus de Castelo Branco nomeado por El-Rei D. João II. Afonso de Paiva sucede a seu pai no dito ofício, que exerce cumulativamente com o de escrivão das sisas, que seriam confirmadas por D. João II. VER DOCUMENTO »

A Casa da Memória da Presença Judaica em Castelo Branco pretende contar a história de uma comunidade que em muito contribuiu para o desenvolvimento da cidade no período quinhentista, as suas memórias e o legado que por cá deixo

A visita inicia-se no espaço de loja/recepção. Dá-se início ao Circuito Museológico, com a Torá, o elemento mais importante para a comunidade judaica. Neste piso encontramos a história da comunidade judaica albicastrense, as suas Judiarias, as respectivas características e algumas respostas a questões que durante séculos ficaram por esclarecer.

De forma a familiarizar o visitante com a cultura judaica, a Casa da Memória expõe um conjunto de objectos associados ao Ciclo Vital, às Festividades e aos seus Rituais.

Na transição entre os dois pisos, surge o Memorial das Vítimas Albicastrenses da Inquisição, num total de 329 processos identificados e estudados, onde estão identificadas as 21 vítimas mortais da Inquisição em Castelo Branco.    

O 1º piso é um espaço inteiramente dedicado às figuras judias albicastrenses: Amato Lusitano; Maria Gomes; Afonso de Paiva; Elias e Moisés de Montalto E ManOel Joaquim HENRIQUES DE Paiva.

No 2º piso disponibiliza-se ao visitante uma zona de estudo e investigação. Toda a informação e investigação sobre a temática judaica é da responsabilidade do Arq. José Afonso, que coordenou a recolha de conteúdos, do Professor Jorge Martins e da Professora Antonieta Garcia.

 

CONTACTOS

 

Câmara Municipal De Castelo Branco

Morada:
   Praça Município
   6000-458 Castelo Branco

Tlf:  272 330 330

Fax:  272 330 324

Email:  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

______________________________________

Posto De Turismo

Morada: 
   Praça do Município
   6000 Castelo Branco

Tlf: 272 330 339

Email:  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

______________________________________

Casa da Memória da Presença Judaica em Castelo Branco

Morada: 
   Rua das Olarias, N.º 43
   6000 Castelo Branco

Tlf: 272 323 033

Email:  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

voltar ao topo